“Sou, talvez, sim, machista, misógino, por uma educação [que recebi], pela sociedade. Mas a cada dia eu tento “mulherar”. A cada dia eu sou menos machista, menos misógino. E tenho certeza disso”. De tanto falar bobagem José de Abreu está indo embora do Brasil. Movido por um surto após a nomeação da colega Regina Duarte para a Secretaria da Cultura, o global foi acometido de comichão e deixou a máscara cair. “Vagina não transforma mulher em ser humano”. Esse, talvez, tenha sido o auge da idiotice. Criticar sem argumentos, sem inteligência e sem respeito queimou o filme deste idoso que vai pegar sua esposa novinha e vazar para a Nova Zelândia. Um José de Abreu a menos não fará falta.

 

EFEITO CONTRÁRIO

Acusado de machista, homofóbico e preconceituoso pelos opositores, o presidente Jair Bolsonaro precisou sair em defesa de Regina Duarte.  “Na política você tem que ter um pouco de maldade. Na política você entrou num liquidificador. Tem um ator aí batendo nela [Regina], falando palavras impronunciáveis. E não vi ninguém, das feministas e da esquerda festiva que temos, falando nada. [Ele] está massacrando uma senhora que tem um passado aí que nos orgulha a todos”, disse Bolsonaro. Feministas e esquerdistas que adoram ligar o nome do presidente ao machismo comeram abiu diante do “companheiro” machista e autodeclarado misógino. Cadê vocês, defensoras dos direitos das mulheres? Não vão defender Regina?

 

RESPEITO

Cadê o tal do respeito? Onde foi parar a revolta dos que defendem um país justo? Será que essa turma tem memória seletiva? Pouco “sifu” para o Brasil, esse pessoal está mais interessado em usar as redes sociais para falar bobagem, espalhar fake news e botar fogo no Brasil. A turma que não trabalha, vive de renda, de especulação, de mimimi. José de Abreu vai embora e disse que quando voltar vai morar na França. Não consta que nenhum deles tenha escolhido morar na África, ou no sertão do Nordeste, ou que tenha resolvido prestar serviços comunitários. Esse pessoal é assim: toca fogo no paiol e depois sai correndo pedindo socorro. Ou pega um avião e manda uma banana para o Brasil.