Não é preciso muitos neurônios para encontrar uma infinidade de argumentos que justifiquem altos investimentos no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). O anúncio do fechamento do Bosque da Ciência por falta de recursos e funcionários impactou o prefeito Arthur Neto, que imediatamente convocou a diretora do órgão, Antônia Franco, para comunicar que vai usar recursos da Prefeitura e evitar que um dos pontos mais importantes para amazonenses e turistas deixe de receber visitas. E mais: pediu uma audiência de emergência com o ministro da  Ciência e Tecnologia, Marcos Ponte. Só tem uma coisinha nisso tudo: Jair Bolsonaro  já devia ter se manifestado e agido em defesa do Inpa. Mas até agora, nada.

 

ESQUECIDO

Com orçamento de R$ 35 milhões por ano, o Inpa está “esquecido” não é de hoje. Temer, Lula, Dilma, FHC ou qualquer outro antecessor do capitão não deu bola para o Instituto.  O Inpa tem papel estratégico dentro do que o Amazonas e o Brasil precisarão para o futuro.  Descobrir novas fontes de exploração e preservação dos recursos naturais, é um deles.  O Governo Federal, que comanda o órgão, precisa abrir a caixa-preta e desenterrar as informações e problemas daquele pedaço de chão que guarda a biodiversidade da Amazônia, provando que está mesmo interessado em usar os valores da floresta a favor do desenvolvimento da região, a qual ele mesmo já chamou de “isolada do mundo”.

POLÍTICA

Recentemente a Amazônia foi tema na boca de líderes mundiais. França e Alemanha criticam o Brasil por conta da politica ambiental, e Bolsonaro disse que o Brasil é a virgem que todo tarado deseja. Está na hora de deixar as frases de efeito e gosto duvidoso e partir para a ação. Se o Governo Federal é incapaz de gerir o Inpa, está dando munição para quem quer meter o dedo na colher dentro da nossa casa. Não é papel de Arthur Neto tomar frente nessa questão, menos ainda dos estrangeiros. Não custa lembrar que Jair ofereceu a Trump uma parceria duvidosa para explorar o nosso quintal. Melhor mesmo é que nós, brasileiros, aprendamos a varrer essas folhas por conta própria.