INFRAESTRUTURA PARA BAIRROS INDÍGENAS

//INFRAESTRUTURA PARA BAIRROS INDÍGENAS

O primeiro bairro indígena de Manaus fica localizado na Zona Oeste e se chama Parque das Tribos. No local, habitam 38 etnias e a Prefeitura de Manaus já concluiu o desenho do arruamento e terraplenagem de, aproximadamente, 40 ruas. Já na próxima semana, começa o asfaltamento e as principais vias já receberam postes e iluminação a LED. A Manaus Ambiental também está fazendo o projeto para levar água potável aos moradores.

A primeira etapa da obra, a terraplanagem, foi concluída. “Com isso, definimos o desenho das ruas, o material e, agora, por determinação do prefeito, começaremos com o asfaltamento”, confirmou o secretário da Seminf, Kelton Aguiar.

Segundo o Tuxaua Messias, chefe das 38 etnias que moram no Parque das Tribos, eles estão presenciando a realização de um sonho. “Hoje é um sonho nosso sendo realizado, com o programa que vem sendo executado pelo prefeito Arthur Neto”, afirmou.

Abrigo acolhe 200 imigrantes

Um abrigo localizado no bairro do Coroado, na Zona Leste de Manaus, está recebendo reformas para acolher 200 venezuelanos. Para atender as necessidades que foram apontadas no Plano de Ação Humanitária para Atendimento do Fluxo Migratóri

o Venezuelano, da Prefeitura de Manaus, as obras foram feitas pelo Alto Comissariado das Nações Unidas (Acnur). Entre os ajustamentos, estão a montagem de divisórias para separação de quartos, instalação de cozinha industrial e ventiladores.

A Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh) iniciou o acréscimo das adequações que envolvem a implantação de uma lavanderia. Além disso, a construção de um tablado para que sejam instaladas tendas. Itens como beliches, colchões e armários deverão ser levados para o abrigo a partir da próxima semana. De acordo com a secretaria, até o final de agosto, o espaço deve estar completamente concluído e apto a receber os imigrantes.

De acordo com dados da secretaria, cerca de 384 imigrantes venezuelanos são atendidos em duas casas de acolhimento, sendo 253 indígenas warao e 80 criolos (não indígenas) no abrigo Alfredo Nascimento, Zona Norte, e 51 indígenas warao no abrigo Tarumã, Centro.

2018-08-09T15:12:53+00:00agosto 9, 2018|Cidade|0 Comentários