Reginaldo Soriano, vulgo “Baiaca”, e a filha dele Vanessa Fernandes Soariano, acusados de liderar o tráfico de drogas, venda ilegal de terrenos e formação de milícia nas invasões Cidade das Luzes, no Tarumã, zona oeste, e Buritizal, no Nova Cidade, zona norte, foram presos durante a operação ‘Cidade da Trevas’, deflagrada nesta terça-feira (14), por policiais civis da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).

O delegado-geral da Polícia Civil, Lázaro Ramos, disse que, além do tráfico de drogas, a maior parte dos crimes está relacionada à comercialização dos lotes, com casos de agressão e expulsão das casas. “Eles alugam, obrigam a pessoa a pagar, quando falha o pagamento, eles expulsam ou ameaçam de morte. Eles também obrigam a participar de tráfico de drogas. Eles têm um grupo para fazer esse trabalho de ameaçar e matar”, disse.

De acordo com o secretário de Segurança, coronel Louismar Bonates, “Baiaca”, foi preso logo pela manhã em uma residência no bairro Cidade Nova, zona norte, em cumprimento a um mandado de prisão. Ele é apontado como um dos principais intermediários do grupo com detentos do sistema prisional. Acusado de liderar as invasões, ele foi preso com diversos documentos relacionados à prática, como recibos de pagamento pelos lotes. Já a filha dele segundo informações da polícia, é mulher de um presidiário membro de uma organização criminosa. Ela foi presa em uma residência de luxo construída no Novo Aleixo, zona norte. Na casa dela, a polícia apreendeu R$ 14 mil e três carros, incluindo um Corola.

 Nove integrantes foram capturados

Também foram presos em cumprimento a mandados de prisão Jocicley Mafra, Higson Seapra de Oliveira, Alex Braga Gomes, Rony Batista de Souza, Marcelo Braga de Araújo, Alex Farias de Castro, que estava com a tornozeleira eletrônica violada. Outra prisão foi a de Gerlani Guimarães da Silva, que aconteceu em flagrante na Cidade das Luzes. Com os nove presos, os policiais apreenderam sete carros, 30 celulares, R$ 16,1 mil e diversos documentos relacionados às vendas de terrenos.

Bonates conta ainda que para entrar os policiais retiraram barricadas instaladas por traficantes com o objetivo de impedir a entrada das forças de segurança. “As milícias estão sendo investigadas desde o início de janeiro e hoje viemos com uma ocupação pesada para pacificar a comunidade, retirar os líderes das milícias. Mas as investigações vão continuar”, resumiu.