A trajetória de 40 anos do Programa Barco-Escola Samaúma do Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAI), dedicado a educação profissional na Amazônia, foi motivo de homenagem pela Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), na terça-feira, 14.  A unidade Móvel Fluvial pioneira, o Samaúma I, inaugurada em 1979, juntamente com o Samaúma II, já qualificou mais de 60 mil pessoas em toda a Amazônia.

Os Barcos-Escola Samaúma já atenderam 158 municípios do Amazonas, Acre, Amapá, Rondônia, Roraima e Pará. “A FIEAM, por meio do SENAI Amazonas, dá continuidade à sua missão de qualificar profissionais, tendo estes a formação de acordo com o potencial econômico das cidades atendidas pelo Samaúma e Samaúma II. E nunca é demais enfatizar a importância da formação profissional na elevação da produtividade da nossa economia”, disse o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM) e do Conselho Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Amazonas), Antonio Silva.

O idealizador do Samaúma, o instrutor do barco-escola, Samaúma I, Waldir Freire Galvão, 89, foi um dos homenageados com certificados comemorativos entregues pela Assembleia Legislativa, pelos deputados Serafim Corrêa, Dermilson Chagas, Carlinhos Bessa e Belarmino Lins.

Outro homenageado foi o ex-diretor do SENAI Amazonas, engenheiro Adercy Maruoka. “Eu participei no desenvolvimento, implantação e das atividades do Samaúma I, junto ao Waldir, que é o verdadeiro idealizador da ideia, então eu me sinto muito gratificado, porque nós deixamos um legado, que é levar educação profissional para os interiores mais longínquos” disse Maruoka, ao relembrar sua trajetória de quase 15 anos à frente do SENAI.

Para chegar até as cidades distantes e de difícil acesso da Amazônia, levando a educação profissionalizante, a diretoria de do SENAI aprovou o projeto inovador, criado com ajuda do ex-instrutor do Barco, Waldir Galvão, 89, de construir uma escola itinerante, que foi inaugurada em 1979.

“Eu era funcionário do SENAI e junto com outro instrutor hoje falecido, Antônio dos Santos Veloso, tivemos a ideia de levar educação para o interior, porque eu sou do interior, Tefé, e sei da necessidade de atuação lá. Encabecei a ideia e junto ao SENAI Nacional conseguimos realizar. Então na verdade, o barco surgiu de uma necessidade, fico muito satisfeito e emocionado em ver no que ele se transformou hoje, sinto que fiz o meu papel”, contou ele agradecido pela homenagem.

A ex-aluna do Barco-Escola Samaúma, Elimara Damasceno Bezerra, 32, foi uma das beneficiadas pela qualificação do SENAI, no município de Manacapuru em 2008. Com certificação nos cursos de Relações Interpessoais e Higiene e Manutenção de Alimentos, a atual analista de Imprensa da multinacional Gree do Brasil, formou-se em Jornalismo e é pós-graduada em Mídia e Assessoria pela faculdade Boas Novas.

“Lembro que trabalhava em uma loja vendendo roupa em Manacapuru, e o Barco do SENAI estava no porto da minha cidade fazendo inscrições para vários cursos e eu corri para conseguir participar de algum deles, isso em 2008”, relatou, ao dizer que guarda até hoje os certificados.

No mercado de trabalho, Elimara Damasceno, relembra o quanto os cursos fizeram a diferença para a conquista do novo emprego. “Na entrevista eu mostrei todos os meus cursos do SENAI e o meu certificado do ensino superior, lembro que justamente o curso que fiz pelo SENAI de Relações Interpessoais, me fez ganhar pontos na vaga que atua exatamente com isso”, disse ela.

Com requerimento de autoria do deputado Adjuto Afonso (PDT-AM), a sessão especial em homenagem ao SENAI homenageou também a jornalista e ex-funcionária do SENAI, Evelyn Lima do Carmo; o marítimo do Samaúma, Jessé Jorge Rezende Mendes; Coordenador do Samaúma (Aposentado), Carlos Alberto Martins dos Santos e a Instrutora de Panificação e Confeitaria, Terezinha Luciene Santos da Silva.