“Não me chame de Bruna”, é a resposta que Raquel Pacheco, a Bruna Surfistinha, dá para os homens que querem se aproximar afetivamente dela e a perguntam o que devem fazer. A frase é o oposto da que é pedida na série da FOX, “Me chame de Bruna”. A trama, que conta a vida da ex-garota de programa está chegando à quarta temporada e é uma das principais fontes de renda de Raquel, como ela deseja ser chamada. Aos 34 anos e separada há quatro do marido que havia sido um de seus clientes, Raquel dá workshops de sexo para mulheres –um dos mais procurados é o de sexo oral — e está perto de lançar mais um livro. “Bruna Surfistinha nua e crua”, uma autobiografia, fica pronta em agosto…

Se vive do passado ela só não quer voltar para lá. Prostituição é uma profissão que ficou no passado. “Jamais. Meu período como prostituta foi importante, mas passou. Essa fase me deu tantas opções que eu não preciso mais me prostituir. Não teria a paciência que tinha com 18 anos. Naquela época, transava com homens fedidos, que continuavam cheirando mal mesmo depois do banho. Pra mim, estava tudo certo, eu era porra louca. Há pouco tempo, minha empresária foi procurada por um homem que me ofereceu R$ 80 mil por um fim de semana. Não quis”.