Nos Estados Unidos, senadores dos partidos Republicano e Democrata e a Casa Branca chegaram na madrugada desta quarta-feira (25) a um acordo sobre um plano federal de estímulos de US$ 2 trilhões para aliviar as consequências da pandemia do coronavírus sobre a economia do país. O pacote deverá auxiliar trabalhadores, empresas e o sistema de saúde.

“Por fim, temos um acordo”, afirmou o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, antes de citar um “nível de investimentos de tempos de guerra”.

O valor equivale a aproximadamente R$ 10,2 trilhões, o que representa um montante maior do que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em valores correntes, que em 2019 totalizou R$ 7,3 trilhões. O principal índice da bolsa de valores brasileira, na terça-feira,  fechou em alta de 9,69%, a 69.729 pontos, acompanhando a melhora nos mercados externos, com uma nova ronda de estímulos monetários e orçamentais oferecendo algum alívio em meio aos temores de recessão global.

INVESTIDORES OTIMISTAS

Investidores estavam mais otimistas após diversos bancos centrais pelo mundo, incluindo o brasileiro, anunciarem medidas de estímulo à economia em resposta à pandemia de coronavírus. Entre as medidas, a mais importante foi a do Federal Reserve (o banco central norte-americano), que disse ontem que pela primeira vez vai apoiar compras de títulos corporativos, respaldar empréstimos diretos a empresas e ampliar suas compras de ativos por quanto tempo for necessário para estabilizar os mercados financeiros.

Embora medidas como essa não mitiguem imediatamente os impactos provocados pela pandemia de coronavírus, elas vão colocar mais dólares nos mercados mundiais, permitindo que empresa e ampliar suas compras de ativos por quanto tempo for necessário para estabilizar os mercados financeiros. Embora medidas como essa não mitiguem imediatamente os impactos provocados pela pandemia de coronavírus, elas vão colocar mais dólares nos mercados mundiais, permitindo que empresas, fundos, e bancos tenham acesso a dinheiro para pagar credores, fornecedores e investidores finais.

AJUDA DO GOVERNO ANIMA MERCADO BRASILEIRO

No Brasil, o governo divulgou um plano de R$ 88,2 bilhões em ajuda a estados e municípios, atendendo parte do pedido feito por governadores e prefeitos para conseguirem arcar com despesas de saúde e com os impactos econômicos do coronavírus. Questões políticas também permanecem no radar, com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmando que o combate ao novo coronavírus é o “inimigo comum” que tem com os governadores, mas destacou que o efeito colateral da pandemia no país pode ser enfrentado.