FUMAÇA É FOGO

//FUMAÇA É FOGO

FUMAÇA É FOGO

Das duas uma. Ou o governador Amazonino Mendes está sendo vítima de um descaso inclemente e permanente ou seus pares erraram a mão ao escolher uma estranha alternativa de mantê-lo todos os dias na mídia da contravenção eleitoral. Quaisquer das alternativas, porém, estão contribuindo para massacrar a imagem do desassombrado Negão. A população não abre mão de ter um político equilibrado, decente e preparado para ocupar o cargo de mais alta direção da sociedade. E não é isso que estão fazendo com a campanha do Amazonino.

Boi expiatório

Os jornais noticiaram esta semana uma onda de crimes eleitorais para cima do governador. Distribuição de implementos agrícolas, inaugurações de prédios oficiais, propaganda irregular, promoção de servidores e agora o pagamento do Fundeb partiram para cima do fato de que o Negão sob a acusação de fazer média. O que é engraçado e sugere perseguição é que o autor da representação no TRE, é quem mais apareceu prometendo mundos e fundos para os professores e servidores no horário eleitoral… tem algo de errado e perverso no ar!

 Perversão com os mestres

No último bafafá do Fundeb, envolvendo o candidato Wilson Lima, que alega apenas ter “solicitado a suspensão do pagamento dos mestres e servidores…”, a coisa não prosperou em termos de aceitação por uma razão muito simples: a atitude de absoluta naturalidade do pagamento de quem é de direito não pode servir como instrumento de campanha política. Tem político no primeiro turno que costuma dizer que o Fundeb era sagrado e pagou quando foi governador.

 Ninguém Merece!!!

* Nos bastidores da política o que mais se ouve é se Eduardo Braga e Marcelo Ramos vão entrar na campanha do segundo turno do lado do governador ou do jornalista.

* O delegado Pablo eleito deputado federal foi chamado pelo capitão Jair Bolsonaro para discutir uma composição eleitoral para o segundo turno no Amazonas.

* O motivo é muito simples. Ninguém está autorizado a usar a imagem do capitão na campanha. É que Bolsonaro não deu a menor importância para os interesses políticos e de barganha que o fato implica.

* Tratou de resolver a parada à luz do imediatismo de seus interesses pessoais, passando a bola para o delegado decidir quem dever ser apoiado.

* Não é segredo para ninguém, que o governador não esconde seu absoluto amor pela farda do capitão mesmo que isso lhe custe a sigla do PDT. Ciro é Haddad desde de sempre.

2018-10-10T12:06:51+00:00outubro 10, 2018|Fala Sério|