Carolina Duarte Hasselman, 34, ex-funcionária de uma agência de turismo da cidade, foi presa após furtar dados dos clientes da agência e comprar pacotes de viagem para ela viajar para o exterior. Ao todo, foram formalizadas 24 ocorrências dessa natureza em nome da infratora. A prisão ocorreu na casa da infratora, situada na avenida Duque de Caxias, bairro Praça 14 de Janeiro, zona sul da capital.

 

De acordo com os delegados Guilherme Torres e Demetrius Queiroz, titular e adjunto, respectivamente, da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), a mulher chegou a viajar para Estados Unidos da América (EUA) e Europa com passagens pagas pelos clientes que não sabiam de nada.

 

“Carolina trabalhava em uma agência de viagens e tinha acesso aos dados dos clientes. Com isso, aplicava golpes por meio de pacotes de viagens para destinos, como por exemplo, Estados Unidos da América (EUA) e Europa, dentre outros que tinham valores mais altos”, informou Queiroz.

 

O delegado adjunto da especializada informou que os clientes lesados passaram a receber cobranças e tiveram os nomes negativados, mesmo comprovando que não tinham comprado pacotes de viagens da agência onde Carolina trabalhava. Quando tomaram conhecimento das compras ilícitas, os clientes passaram a cobrar a agência e a registrarem os Boletins de Ocorrência (BOs). Ao todo, foram formalizadas 24 ocorrências dessa natureza em nome da infratora.

 

“A agência teve um prejuízo estimado, até o momento, de R$ 149 mil, passando a negociar com os clientes e, também, a responder diversas ações de indenização por danos. Vale ressaltar que Carolina não trabalha mais no local. Ela abriu uma agência própria para continuar aplicando os golpes”, destacou Guilherme Torres.

 

Carolina foi indiciada por furto qualificado, mediante fraude, estelionato e falsificação de documento público. Após os procedimentos cabíveis na especializada, ela será encaminhada ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), situado no Km 8 da rodovia federal BR-174, onde irá ficar à disposição da Justiça.