“Duas vocações ao mesmo tempo”. Bento XVI rejeita a hipótese de homens casados tornarem-se padres na Amazônia. A declaração está no livro escrito em parceria com o cardeal Robert Sarah. O papa defende que o celibato sacerdotal “tem grande significado”. As declarações surgem no momento em que o papa Francisco avalia um pedido para que, na Amazônia, homens casados possam ser padres.

Na obra ‘Das profundezas dos nossos corações’, Bento XVI escreve que a tradição secular dentro da Igreja é essencial para que os padres se concentrem nos seus deveres. “É indispensável para que o caminho na direção de Deus permaneça o fundamento da nossa vida”. Para o papa emérito, não é “possível realizar as duas vocações (sacerdócio e o casamento) ao mesmo tempo”.

Após reunião de bispos sobre o futuro da Igreja na Amazônia, em outubro de 2019, foi lançado um documento onde estavam detalhados diversos problemas, entre eles a escassez de sacerdotes na região. Como solução para este problema, bispos sul-americanos sugeriram que, em algumas partes da Amazônia, alguns homens mais velhos e casados poderiam ser ordenados padres.

Também foi pedido ao Vaticano que reabra o debate sobre a ordenação de mulheres como diáconos, alegando que “é urgente que a Igreja promova e confira na Amazônia ministérios para homens e mulheres de maneira equitativa”, cita a agência Associated Press.

O papa deixou claro sua posição em um trecho do livro. “É urgente, necessário, que todos, bispos, sacerdotes e leigos, redescubram um olhar de fé na Igreja e no celibato sacerdotal que protege o seu mistério”. Além disso, citando Santo Agostinho, ambos afirmam: “Non possum silere (Não posso ficar calado)!”.

Todas as propostas foram colocadas em documento, aprovado no final de um sínodo de três semanas sobre a Amazônia, convocado pelo papa Francisco em 2017, com o objetivo de alertar para as ameaças à floresta tropical e melhorar o sacerdócio junto aos povos indígenas.

O papa Francisco tem sido advertido de que qualquer abertura papal a sacerdotes casados ou mulheres diáconos pode levar a Igreja à ruina, culpando a organização do sínodo e o próprio papa de heresia, uma vez que consideram o celibato sacerdotal obrigatório. As informações são da Agência Brasil.