PAPAI NOEL 

//PAPAI NOEL 

Com a chegada do Natal, agravada com as chuvas, o cenário, que já era trágico, é de filme de terror ou agonia. Pra onde quer que você vá, é preciso uma dose exacerbada de paciência endorfina para não ultrapassar todos os limites do auto-controle. Prá ferrar de fez, a partir de segunda – feira as Avenidas Djalma Batista, Constantino Nery, Torquato Tapajós, Mario Ypiranga e Humberto Calderaro,  começam a ser fiscalizadas por aparelhos de última geração instalados nas câmeras de controle de trânsito já existentes.

 

PRA FERRAR OS MOTORISTAS

Um serviço de altíssima tecnologia capaz de identificar condutores usando celulares, sem o cinto de segurança e carros com multas em atraso. Quanto ao trânsito é uma tragédia que já se configura e complica há  algum tempo e que o poder público insiste na alternativa da lentidão para enfrentar. Além dos talões de multas, com esses equipamentos que pegam até quem está sentado no banco de trás.

 

INDÚSTRIA DE MULTAS

As viaturas ficarão esperando os carros atrasados, com motorista sem cinto e ao telefone celular para multar. Serão informados via rádio e mandarão encostar pra entregar a multa ou rebocar. O cidadão se sente órfão e sabe que só pode recorrer aos céus para vivenciar a calmaria de uma gestão eficiente, que se antecipa aos fatos e planeja soluções apenas contra nós.

 

Ninguém Merece!!!! 

  • Nada da construção dos viadutos e túneis da Paraíba, Recife e Bola do Coroado já estão projetadas desde antigamente. Pois é antiga a problemática da movimentação dos veículos.
  • E a desculpa de que falta dinheiro não convence ninguém. A indústria de multas e do IPVA estão a todo carga. Nem a burocracia que é invocada para explicar a lentidão.
  • É incompetência para resolver os nossos problemas mesmo, que se arrasta há décadas e que acabou explodindo no colo da atual gestão.
  • As soluções se estendem para o amanhã do descompromisso e a cidadania não pode esperar.  De quebra, a falta de sintonia entre estado e município, com conflito de atribuições e responsabilidades, só consegue agravar a desordem estabelecida.