PLATAFORMA SESI VIVA + TEM LANÇAMENTO QUINTA-FEIRA

//PLATAFORMA SESI VIVA + TEM LANÇAMENTO QUINTA-FEIRA

PLATAFORMA SESI VIVA + TEM LANÇAMENTO QUINTA-FEIRA

O Serviço Social da Indústria (SESI Amazonas) lança na quinta-feira (17), no SESI Clube do Trabalhador, na Alameda Cosme Ferreira, 7399, S. José, a plataforma SESI Viva +. A ferramenta permite a gestão dos indicadores de Saúde e Segurança do Trabalho (SST), informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fiscais. Integrado ao eSocial, sistema unifica, padroniza e torna 100% digital a comunicação de contribuições previdenciárias, folha de pagamento, acidente de trabalho, aviso prévio e o FGTS.

De acordo com o gerente de SST do SESI Amazonas, Claudio Palheta, o retorno do investimento em SST é essencial para o bom funcionamento das empresas. Com a garantia da elaboração e implementação do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), evita-se multas que vão de R$ 3.548,00 a R$ 4.124,45, e com a elaboração e implementação do PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), assegura a empresa contra multas de R$ 1.998,00 a R$ 2.126,07.

Sua plataforma digital completa para gestão de saúde e segurança do seu negócio.

Atento à realidade e às demandas da indústria nacional, o SESI criou uma inovadora plataforma de gestão de saúde e segurança de trabalho e promoção da saúde, o SESI Viva+. A solução tecnológica proporciona ganhos para a indústria e para os trabalhadores ao concentrar a gestão de dados em um ambiente único.

O ambiente único de dados de saúde e segurança, e estilo de vida do trabalhador da indústria brasileira, possibilita a geração de informações qualificadas e estruturadas, além de estudos epidemiológicos para apoiar as indústrias na redução de riscos legais, na redução de custos com saúde e afastamentos, na prevenção de acidentes e aumento da produtividade no trabalho.

Empresas precisam estar em conformidades

Grandes empresas precisam estar em conformidade com o eSocial até julho deste ano para que não sejam penalizadas, por falta de informações ou mesmo por não haver realizado procedimentos legais necessários ao seu bom funcionamento. “Atualmente a maioria dos dados exigidos pelo eSocial já é fornecida pelas empresas, a diferença agora é a coerência das informações, as interações entre os campos”, disse Palheta.

 

 

2019-01-16T11:12:30+00:00janeiro 16, 2019|Estado|