New York Times diz em artigo: Jair está certo!

Assim como no capitalismo tudo vira mercadoria em política tudo pode ser faturado em favor dos interesses eleitorais. E foi exatamente isso que aconteceu nesta terça-feira depois do pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro. A mídia da família Marinho não perdeu tempo nem a oportunidade. Na hora, pôs o bloco na rua, aliás, ampliou com seus estagiários e partiu para o crime, o crime da distorção, da transformação do interesse público em artigo de sua primeira necessidade, a sobrevivência. A situação obriga. A Rede de Televisão dos Marinho está mais em pânico do que o povo com medo do vírus. Sua audiência despenca, a CNN ameaça, William Waak é pleno sorriso e seu futuro é sombrio em comparação aos anos dourados de tantas décadas.

Jair está certo(?)

Pois bem. Em artigo nada surpreendente, porém contundente, o jornal New York Times, o mais respeitável do Planeta, mostra que Bolsonaro pode estar certo sobre o Coronavírus.
Médicos ouvidos por jornalistas defendem isolamento apenas de idosos, pessoas com doenças crônicas e com baixa imunidade — e tratar o restante da sociedade como se lida com a gripe.
Thomas Friedman, um dos colunistas mais influentes do mundo, ouviu três médicos e escreveu o artigo mais desconcertante, até agora, sobre o risco do lockdown global se estender por muito tempo.

O outro lado

Outro texto, que corre pelas redes sociais, pergunta: Por que Bolsonaro quer que o povo, abaixo dos 60, volte a trabalhar? “Na minha opinião, existe uma bomba-relógio que vai explodir no colo do governo em breve. É correto, do ponto de vista médico, que as pessoas fiquem em casa. A imprensa apóia. O congresso apoia. O povo apóia (por enquanto).
Mas pense no que acontecerá daqui 30, 60 dias: os autônomos estarão sem emprego e sem dinheiro, os empregados de carteira assinada estarão sem salário (as empresas não terão como pagar). O que acontecerá? Revoltas, convulsão social, mortes.

E depois, José, que baixar a maré ?

Os que apoiam hoje a quarentena vão lavar as mãos. Especialmente a imprensa. A culpa da desordem será do presidente, que não teve liderança. Pra acalmar o povo, se votará o impeachment. Bolsonaro apenas quer salvar o pescoço? A Inglaterra já avisou que o governo vai pagar os salários. Mas eles têm caixa. O dilema é: vidas em risco agora ou convulsão social no futuro. O único país que terá povo trabalhando e dinheiro em caixa é a China. O momento, senhores políticos, não é apontar, é promover a união em nome do cidadão?