A greve dos professores da rede estadual de ensino está muito perto do fim. Os representantes sindicais da categoria, formados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam) e  Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom Sindical), sentaram-se à mesa de negociações com o vice-governador do Estado, Carlos Almeida, e o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, Josué Neto. O Governo não vai mais entrar na Justiça para que sejam determinadas punições aos grevistas, ao mesmo tempo, os professores conseguiram um ganho em cima do auxílio-localidade: R$80,00 para servidores do interior e R$120,00 para os das zonas rurais.

O Governo ainda vai conceder a chamada progressão horizontal e aceita reduzir o tempo de 4 para 3 anos. As progressões verticais ficaram em 12% (especialista); 50% (mestre); 55% (doutor), em um prazo de até 60 dias. Além disse os professores concordaram com o reajuste de 4,73%. O Governo alega que não pode passar deste percentual, por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Agora os professores terão de se reunir em assembleia para confirmar o fim da greve. Até o momento não há data marcada. Além disso, terão de refazer o calendário escolar, após mais de um mês seu dar aulas. A proposta de reajuste será votada ainda hoje na Assembleia. A greve começou no dia 15 de abril.