Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira diante dos banqueiros do Santander, que a Zona Franca de Manaus precisa mudar. Não se tem notícia se o carioca parlamentar conhecer Manaus, as necessidades dos amazonenses ou se sabe pelo menos qual é o nome dos rios que quando se encontram as águas não se misturam. Logo, porque o interesse repentino na Zona Franca? ” Não dá para manter pelos próximos 30 anos a mesma estrutura que a Zona Franca tinha no passado e que tem hoje”.

 

QUINTAL DE CASA

Rodrigo Maia não foi capaz de cuidar, ao lado dos colegas parlamentares cariocas, das mazelas do Rio de Janeiro. O estado de origem de Maia está quebrado, sucateado, endividado e sem perspectivas de melhora. Não bastasse a violência de sempre, a cidade Maravilhosa e a área fluminense estão de pires na mão. Se não entende do próprio quinta, vai entender de Amazonas? Maia deveria aprender com o caboclo do interior, passar uns dias na taba, descascar um tucumã, comer um peixe com farinha ova. “A gente tem que dar uma solução para a Zona Franca”. A gente, quem?

 

EM DEFESA DO AMAZONAS

Tanto o governador Wilson Lima, quanto o prefeito Artur Neto e a bancada amazonense têm sido firmes em defesa do modelo econômico que mistura preservação ambiental com geração de emprego e renda. Se o Amazonas não tem a mesma fama turística que o Rio de Janeiro de Rodrigo Maia, também não do que reclamar quando o assunto é cuidar do patrimônio mais importante do Brasil: a Amazônia. O presidente Jair Bolsonaro esteve em Manaus há pouco dias e também reforçou a proteção dos interesses dos amazonenses. Maia e os que querem meter o dedo onde não foram chamados podiam fazer o imenso favor de comer um abiu.