Sérgio Moro levou na bagagem para Brasília um documento oficial com 23 diretrizes escritas pelas autoridades do Governo do Amazonas, pedindo que o Governo Federal faça alguma coisa para combater o tráfico. o documento foi chamado de “Carta de Manaus”. Nos últimos anos o Amazonas tornou-se uma espécie de Disney do tráfico internacional. Não bastasse voarem sobre nossas cabeças sem serem pegos pelos radares, os traficantes também navegam pelo Solimões transportando cocaína e maconha. Criaram até um grupo fortemente armado, apelidado de “Piratas dos Rios”.

SEM CONDIÇÕES 

Na prática o governo do Estado reconhece que não pode cuidar sozinho das fronteiras. E não pode mesmo!. Diante das limitações de homens e de armamento, hoje o Amazonas leva de goleada dos traficantes, muito mais organizados, equipados e capazes de substituir as baixas no front desta guerra. Wilson Lima, Carlos Almeida, e o titular da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), o tenente-coronel Marcus Vinícius de Oliveira, recorreram a quem tem nas mãos as forças armadas e a Policia Federal.

SOCIAL

Bem lembrou o senador Omar Aziz, quando disse durante a visita de Moro que não adianta apenas mandar bala nos traficantes. É preciso retirar os jovens do domínio do tráfico, que recruta as classes menos favorecidas. Dar emprego, educação e melhorar o controle das prisões, que hoje está abaixo do aceitável, como se viu no recente massacre. Situações como a de Coari, quando um avião da FDN caiu em cima de uma árvore sem ser pego pelos radares, mostra bem o quanto é frágil o sistema de monitoramento do Amazonas.