Nesta sexta-feira (22), representantes da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), da diretoria do Instituto Brasil 200 e do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (Codese) reuniram-se na sede da Autarquia para buscar estabelecer ações que visem ao resgate de iniciativas voltadas à geração de emprego e novos negócios na área coberta pelo modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) e demais regiões do Brasil. Na ocasião, o superintendente Alfredo Menezes recebeu o presidente executivo do Instituto, Gabriel Kanner, o vice-presidente do grupo, Hélcio Honda, o coordenador político da entidade, Carlos Lucoli, e demais integrantes do Instituto, além do vice-presidente do Codese, Romero Reis.

A recente mudança de gestão promovida na SUFRAMA pelo governo federal foi identificada como positiva pela comitiva do Instituto. “Entendemos que a iniciativa visou à resgatar a concepção original da SUFRAMA, diminuindo a visão política na Autarquia. Isso reforça o propósito da nossa entidade de contribuir e colaborar com as ações desta Superintendência no sentido de retomar ações eficazes registradas no passado”, afirmou Hélcio Honda.

Romero Reis acredita que uma ação conjunta é importante para se concretizar as propostas que tragam reais benefícios sociais. As propostas do Instituto Brasil 200 são comuns à necessidade da sociedade. Princípios, valores e práticas do grupo convergem com o que propõe o Codese”, disse.

Brasil tem espaços para todos

 

Ao longo do encontro, foi discutida a atuação da SUFRAMA enquanto órgão de desenvolvimento regional e, para tanto, o entendimento comum é de que se faz necessário canalizar esforços para uma atuação colaborativa entre as instituições, sendo este momento de mudanças políticas no âmbito nacional propício para tal iniciativa, conforme expuseram os presentes ao superintendente da SUFRAMA.

“O Brasil é muito grande e temos espaços pra todos. Não precisamos de concentração, mas sim de descentralização. É preciso variar o debate, expor as necessidades da região e desmistificar a realidade da Zona Franca de Manaus”, reforçou Honda.

O presidente do Instituto, Gabriel Kanner, afirmou que “temos capilaridade para comunicar a verdade sobre o modelo Zona Franca. Podemos promover um braço da comunicação, com a convergência de objetivos em prol do desenvolvimento e da soberania nacional”.

Alfredo Menezes comentou sobre os resultados positivos ocasionados pelo modelo Zona Franca de Manaus e comprovados por estudos técnicos qualificados. “O modelo é exitoso e não se tem dúvidas disso. Estudos diversos comprovam a validade da Zona Franca para a região e para todo o País. Quanto mais se emprega, mais se protege esse bem que é a floresta amazônica. E dados demonstram que os empregos e a renda não são gerados apenas por aqui. São Paulo, por exemplo, tem centenas de milhares de empregos que são diretamente relacionados às atividades da Zona Franca de Manaus. Isso é preciso divulgar e contamos com o apoio dos senhores para isso e para realizarmos ações cada vez mais produtivas”.

 

 

*Com informações da assessoria de imprensa